domingo, 10 de abril de 2016

Recomeço


É bem isso que esse texto é, um recomeço. Há anos não escrevo. Pelo menos não algo que sirva para ser publicado em um blog. Daí o sentido do recomeço, de buscar novamente as ideias para preencher esse espaço tão pouco visitado que eu mantenho, sabe-se lá por que. Talvez por ego, talvez por saber justamente que pouquíssimas pessoas sabem que existe, talvez porque preciso desabafar, dar vazão as milhares de opiniões que possuo sobre a vida e suas graças... enfim, preencher esse lugar já tão empoeirado e esquecido dentro de mim mesmo. Daí o recomeço...

Mas todo recomeço causa medo no início. Porque (filosofando gratuitamente) penso que se há algo para ser recomeçado é porque anteriormente o que se está recomeçando teve um fim. E esse fim necessariamente não foi feliz, não deu certo. Daí o seu fim. Naturalmente passamos um tempo em suspensão – um tempo que varia de cada um pra cada um – até termos a vontade de recomeçar, darmos uma outra chance àquilo que não deu certo da outra vez. Porém agora, há uma vantagem: sabemos como terminou da outra vez e dessa, nos preparamos para não cometermos os mesmos erros. É como se estivéssemos no filme ‘Titanic’, mas sabendo o que fazer para que Jack não morra congelado no oceano.

Todo recomeço também é conturbado, cheio de transtornos e dúvidas. Muitas delas latejando na mente: “Será que é o certo? Será que é isso mesmo que eu quero?”. Lógico, não há respostas racionais pra isso. Só há o instinto de continuar e pagar pra ver.

Mas há uma enorme vantagem sobre se recomeçar algo: a aprendizagem. Aprendemos com os erros, são os nossos melhores professores. Quando erramos muito em algo, quando tomamos a pior decisão na vida, aprendemos em seguida. Muitas vezes não temos a oportunidade de reparar esses erros, mas aí vem a vida e vira tudo de cabeça pra baixo. Quando vemos, estamos diante de uma nova chance. Quando vemos, estamos diante da possibilidade de concertar tudo. Quando vemos, podemos recomeçar tudo. De novo. Sem erros.


Cabe a nós sermos os reparadores dos nossos erros. Cabe a nos termos a coragem de recomeçar nossas histórias. Cabe a nós recomeçarmos e termos um novo fim. Com o tempo que temos, com o tempo que nos é dado.