sábado, 28 de julho de 2012

Aniversário

Então, amanhã é meu aniversário.

Eu sempre gostei de aniversários. Sempre achei que nesses dias fechamos um ciclo e reiniciamos outro. É como se o ano começasse pra gente sabe? Sempre pensei assim. E gosto desse pensamento. Dá um certo ar de finitude, de encerramento de um período e começo de outro.

Também me causa estranheza o passar do tempo. Aniversários indicam que o tempo está passando e que estou ficando velho. Quando me olho no espelho (principalmente nesses dias), vou reparando ano após anos as rugas e marcas de expressão surgirem. É quanto tenho a noção mais clara do tempo passando por mim e das coisas que fiz até agora. E das que ainda não fiz.
E é também no meu aniversário que faço um balanço mental de tudo o que me ocorreu no ano, as coisas boas e as ruins. É bem verdade que nos últimos anos, as ruins tem ganhado com ampla vantagem, mas sempre penso pelo lado bom: elas já passaram e eu estou aqui, sobrevivendo.

Lembro também dos meus aniversários anteriores, os da infância – aqueles que as mães fazem questão de registrar em álbuns enormes de fotos. Tempos em que a ansiedade por uma festa ou o presente que havíamos pedido tomava as semanas anteriores à data. Bons tempos! Hoje, com 32 anos, posso dizer que sempre comemorei bem meus aniversários e que, por mais simples que fossem essas comemorações, sempre passei com as pessoas que mais admiro e respeito.

Então, amanhã é meu aniversário. E já se foram 32 datas como essa. Que venha mais um ciclo, que venha mais um ano. Os presentes eu dispenso. Só não dispenso a presença – e os cumprimentos – das pessoas importantes ao meu redor. As que fazem com que eu seja quem sou e as que, de uma maneira ou de outra, compartilham comigo dessa loucura que chamamos de VIDA.